Informações técnicas para conduta nutricional na hidrolipodistrofia ginoide:

  1. Restrição de alimentos com alta densidade energética, gorduras hidrogenadas e bebidas gaseificadas, pois aumentam o gás carbônico e provocam acidificação da derme e hipoderme.
  1. Modulação da ingestão hídrica, uma vez que a água é um fator essencial na detoxificação hepática e drenagem linfática.
  1. Inclusão de bioativos encontrados em frutas avermelhadas, as antocianinas, que são capazes de melhorar a permeabilidade dos vasos sanguíneos e modular a microcirculação.
  1. Associação de alimentos e nutracêuticos ricos em coenzima Q10, principal vitamina atuante na etapa de fosforilação oxidativa, pois melhora a atividade mitocondrial e renovação celular.
  1. Modulação de fibras prebióticas e probióticos a fim de favorecer o crescimento de bactérias benéficas no intestino e potencializar a absorção de micronutrientes e a produção de substâncias imunomoduladoras.
  1. Inclusão de alimentos fontes de zinco e cobre, micronutrientes cofatores da enzima superóxido dismutase citoplasmática, pois são responsáveis pelo sistema antioxidante endógeno.
  1. O chá-verde é a maior fonte de epigalocatequina galato, fitoquímico atuante nas fases de detoxificação hepática que contribui com a otimização na eliminação de toxinas acumuladas no tecido adiposo.
  1. Uso de formulações magistrais compostas por extratos naturais que auxiliam na ação anti-inflamatória e redução de nódulos de gordura característicos desta desordem estética!

Referências

NUNES, C. A ingestão de alimentos funcionais na prevenção e no tratamento da celulite. Nome Revista Eletrônica, 2015. Disponível em: < https://unifia.edu.br/revista_eletronica/revistas/saude_foco/artigos/ano2015/artigo_2015.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2019.

VIDAL, B; MOREIRA, T. Eficácia de nutrientes na prevenção e tratamento da lipodistrofia ginoide. Rev Bras Nutr Clin., v. 31, n. 1, p. 80-5, 2016.