A adiposidade localizada ou gordura localizada é uma das desordens estéticas com maiores queixas em consultórios e clínicas de estética. Porém, a partir da definição do conceito de saúde como completo bem-estar físico, psíquico e social, e não apenas como ausência de doença, é possível assimilar que desordens ou distúrbios estéticos são prejudiciais à integridade emocional do indivíduo, resultante da alteração do esquema corporal e da autoestima.

É caracterizada como adiposidade localizada o acúmulo de células gordurosas em partes específicas do corpo, dando origem a um aumento na espessura e consistência do tecido adiposo. Esse excesso é resultado de um desequilíbrio entre consumo e demanda energética em alguma fase da vida do indivíduo, quando há a dificuldade de manter os limites de gordura nos níveis desejados. Dentre os fatores causais desse distúrbio, destacam-se o sedentarismo, o estresse, os antecedentes familiares, o tabagismo, as alterações hormonais como a elevação do estrogênio, da aldosterona, da prolactina e da insulina, a síndrome pré-menstrual, o uso de anticoncepcionais, dismenorreias, entre outras mudanças fisiológicas. As regiões de maior concentração da adiposidade são abdômen, coxas, quadris, subescapular e pré-axilar.

O padrão alimentar é um dos aspectos, mais descritos na literatura, determinantes para um quadro de balanço energético positivo e controle das diversas complicações que o aumento do tecido adiposo possa exercer. O desequilíbrio entre a liberação de citocinas/quimiocinas e adipocinas pelo tecido adiposo e/ou adipócito/macrófago causa inflamação induzida pelo aumento da adiposidade, incluindo resistência à insulina e diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares.

Estudos relatam que alimentos, nutrientes e compostos bioativos podem suprimir a resposta inflamatória das células adiposas, dessa forma, tornando-se essenciais ao controle do estado inflamatório crônico, contribuindo para a redução do desenvolvimento das doenças associadas com aumento da gordura corporal, localizada e excesso de peso.

Os ácidos graxos ômega-3 induzem mudanças no perfil de ácidos graxos celulares, influenciando a via de síntese de triacilglicerol e a oxidação de gorduras, atuando na redução da deposição de gorduras e na lopotoxicidade. Os alimentos funcionais também ganham destaque, como a pimenta-vermelha, por conter capsaicina – composto bioativo com importante ação anti-inflamatória. Estudo demonstrou que a capsaicina pode reduzir as quantidades de Il-6 e MCP-1 liberadas pelo tecido adiposo e aumentar a quantidade liberada de adiponectina pelos adipócitos.

Estudos indicam que a curcumina, componente principal da cúrcuma-longa, tem efeito inibidor da ativação do NF-Kappa B e na expressão de genes pró-inflamatórios, sendo importante sua inclusão em uma dieta com foco na perda de gordura localizada. O gengibre vem sendo largamente estudado por suas diversas propriedades, dentre elas, destacam-se a anti-inflamatória e antioxidante, que inibem a indução de diversos genes envolvidos na resposta inflamatória, incluindo os que codificam citocinas e quimiocinas.

Nutracêuticos, como como extrato seco da laranja moro – citrus sinenis (L) Osbeck, rico em cianidina-3-glicosidica (C3G), promove modulações no tecido adiposo branco, sendo uma estratégia eficaz para redução da adipogênese e ampliação da lipólise no tratamento da gordura corporal. Já a luteonina, presente principalmente no extrato seco de Cynara carcundulus age no aumento a polarização de macrófagos M1 para M2via fosforilação de AMPK em animais obesos, por reduzir o processo inflamatório é eficaz para ampliar a expressão de adiponectina no tecido adiposo branco, o que resulta em maiores níveis circulantes dessa adipocina.

Além da inclusão de compostos bioativos e promoção da alimentação equilibrada, existem diversos tratamentos estéticos que podem otimizar a redução da adiposidade localizada. Um estudo de revisão avaliou a técnica de eletrolipólise na redução da adiposidade abdominal, que demonstrou que esse método é considerado eficaz quando associado à atividade física e dieta. Entre outras técnicas também são encontradas: criolipólise, eletrolipólise, radiofrequência, drenagem linfática e massagem modeladora.

REFERÊNCIAS

DE CAMPOS, G. B.; FERREIRA, L. L. Eficácia da eletrolipólise na redução da adiposidade localizada: uma revisão integrativa. Ciência & Saúde, v. 9, n. 3 p. 197-202, 2016

PORTO, S. P.C. Excesso de peso e distribuição de gordura corporal: magnitude e fatores associados em adultos de 25 e 59 anos do Estado de Pernambuco, 2011.

PUJOL, A. P. Nutrição Aplica à Estética. Rio de Janeiro: Rubio, 2011.

PARK, J. et al. Capsaicin protects against ethanol-induced oxidative injury in the gastric mucosa of rats. Life sciences, v. 67, n. 25, p. 3087-3093, 2000.

EPSTEIN, J.; SANDERSON, I. R.; MACDONALD, T. T. Curcumin como agente terapêutico: a evidência de estudos in vitro, animais e humanos. Revista britânica de nutrição, v. 103, n. 11, p. 1545-1557, 2010.

NAVES, A. Nutrição clínica funcional: obesidade. In: NUTRIÇÃO clínica funcional: obesidade. São Paulo: VP Editora, 2009.

SALAMONE, F, et al. Moro orange juice prevents fatty liver in mice. World journal of gastroenterology: WJG, v. 18, n. 29, p. 3862 – 3868, 2012.

ZHANG, L, et al. Luteolin reduces obesity-associated insulin resistance in mice by activating AMPKα1 signalling in adipose tissue macrophages. Diabetologia, v. 59, n. 10, p. 2219-2228, 2016.