O intestino se conecta com todos os tecidos e órgãos do corpo. Por conta disso, o seu funcionamento pode interferir em diferentes mecanismos relacionados à patogênese de doenças, incluindo as desordens estéticas da pele, como melasma, e patologias comuns na mulher, no caso da endometriose e da síndrome do intestino irritável (SII). 

A microbiota do intestino e a homeostase da pele

O microbioma do intestino é capaz de promover a tolerância imunológica a antígenos dietéticos e ambientais; e proteger contra a invasão de patógenos exógenos por meio da modulação da resposta imunológica, com ativação ou inibição de vias.

Os produtos da metabolização da microbiota intestinal desequilibrada atingem a pele por meio da passagem pela barreira intestinal comprometida – devido à permeabilidade – e atingem a circulação sanguínea, assim, afetando diretamente o eixo intestino-pele e o microbioma cutâneo e, consequentemente, desequilibrando seu funcionamento.

Isso acontece em razão da ativação de vias pró-inflamatórias, como a via relacionada à célula T reguladora envolvida na resposta de interleucinas e citocinas, aumentando a inflamação, o risco do desenvolvimento e/ou agravamento de patologias cutâneas, como rosácea, acne, melasma, dermatite e psoríase. 

Existe interferência entre bactérias do intestino e endometriose?

De forma bidirecional, existe uma conexão entre o microbioma do intestino e a endometriose, principalmente por conta de que pesquisadores observaram que a composição de bactérias de pacientes com a doença inflamatória era diferenciada.

Um estudo recente (Svenssom et al., 2021) investigou a composição da microbiota intestinal em mulheres com endometriose, comparadas a grupos controle. Todos os participantes responderam a questionários sobre dados socioeconômicos, histórico médico e sintomas gastrointestinais e coletaram amostras de fezes. As bactérias intestinais foram analisadas usando o sequenciamento de RNA ribossômico 16S. Os autores observaram diversidades alfa e beta maior nos grupos controles do que nos pacientes. Cerca de 12 bactérias pertencentes às classes Bacilli, Bacteroidia, Clostridia, Coriobacteriia e Gammaproteobacter diferiu significativamente entre pacientes e controles. 

Por ser uma doença dependente de estrogênio e que os altos níveis deste hormônio têm sido associados à patogênese da endometriose, alguns estudos mostraram que a microbiota do intestino tem um impacto nos níveis circulantes de estrogênio, interferindo na sintomatologia da doença.

mulher e síndrome intestino irritável

A síndrome do intestino irritável acomete mais mulheres?

Classificada como um dos distúrbios gastrointestinais funcionais mais comuns, a síndrome do intestino irritável (SII) é mais prevalente na mulher, atingindo 4 vezes mais esse público. A causa ainda não é bem elucidada, mas alguns estudos sugerem associação com hormônios sexuais femininos. A SII é caracterizada como uma patologia com elevada sensibilidade e ativação da motilidade intestinal, gerando um quadro inflamatório significativo. 

Módulo Intestino na Nutrição Estética e Saúde da mulher do MBNE 2022 

O eixo intestino-pele como foco da regulação de desordens estéticas e a conexão funcional do intestino com a saúde da mulher. Entenda sobre a associação entre a microbiota e o tratamento de melasma, sintomas da endometriose e síndrome do intestino irritável, com os nutricionistas Dr. Murilo Pereira e Dra. Vania Mattoso.

O 7º MBNE acontecerá nos dias 13 e 14 de maio, em São Paulo, e receberá os maiores palestrantes da nutrição estética no país, além das principais marcas de suplementos, nutracêuticos e superfoods durante a Nutri Beauty Expo. 

Clique aqui e saiba mais sobre o MBNE 2022.

 

REFERÊNCIAS

CUEVAS-SIERRA, Amanda et al. Diet, Gut Microbiota and Obesity: links to host genetics and epigenetics and potential applications. Advances In Nutrition. Buenos Aires, p. 17-30. jan. 2019. Disponível em: https://academic.oup.com/advances/article/10/suppl_1/S17/5307226?login=false. Acesso em: 08 fev. 2022.

KIM, Y.; YOUNG, S., NAYOUNG, K. Sex-Gender Differences in Irritable Bowel Syndrome. Journal of neurogastroenterology and motility v. 24, n. 4, p. 544-558, 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6175559/. Acesso em: 21 fev. 2022.

LEONARDI M. et al. Endometriosis and the microbiome: a systematic review. BJOG.,v. 127, n. 2, p. 239-249, 2020. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31454452/. Acesso em: 212 fev. 2022.

RYBAK, Iryna et al. Prospective Randomized Controlled Trial on the Effects of Almonds on Facial Wrinkles and Pigmentation. Nutrients. Califórnia, p. 1-12. 27 fev. 2021. Disponível em: https://www.mdpi.com/2072-6643/13/3/785/htm. Acesso em: 11 fev. 2022.

ŝMITEK, Katja et al. Effects of a combination of water-soluble coenzyme Q10 and collagen on skin parameters and condition: results of a randomized, placebo-controlled, double-blind study. Nutrients. Eslovênia, p. 1-1327 fev. 2020. Disponível em: https://www.mdpi.com/2072-6643/12/3/618/htm. Acesso em: 11 fev. 2022.

SVENSSON A. et al. Associations Between Endometriosis and Gut Microbiota. Reprod Sci., v. 28, n. 8, p.2367-2377. 2021. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33660232/. Acesso em: 21 fev. 2022.

WANG, Fang-Ying; CHI, Ching-Chi. Rosacea, Germs, and Bowels: a review on gastrointestinal comorbidities and gutskin axis of rosacea. Adv Ther. China, p. 1415-1424. 28 jan. 2021. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs12325-021-01624-x. Acesso em: 03 fev. 2022.