Diversos estudos indicam que a busca para se ter saúde e longevidade necessita de um conjunto de fatores, tais como dieta, exercícios físicos, um bom estado emocional, repouso, ingestão de água adequadamente e outros hábitos de vida saudáveis. Demonstra-se em estudos, também, a importância que os alimentos e seus compostos exercem na longevidade e prevenção de doenças crônicas.

Entre as diversas teorias do envelhecimento celular, destaca-se a teoria dos telômeros. Definidos como estruturas constituídas de uma sequência repetida de DNA localizadas nas extremidades dos cromossomos, os telômeros possuem função de preservar a integridade dos genomas e evitar a fusão com outros cromossomos. A telomerase, enzima transcriptase reversa constituída de uma sequência curta de RNA, é responsável pela síntese do telômero. Durante o processo de replicação do DNA nas células, ocorre a perda de uma pequena quantidade de DNA em cada extremidade do cromossomo a cada divisão celular, assim, resultando em encurtamento dos telômeros, com alteração estrutural e senescência replicativa. Durante o desenvolvimento humano, a função da telomerase declina e os telômeros se encurtam, podendo ocorrer a deleção de genes situados próximos. Assim, por conta desse impacto, ocorre uma desaceleração celular e a menor reposição de células.

A alimentação torna-se fundamental nesse aspecto, visto que o consumo de determinados alimentos resulta no retardo do encurtamento telomérico e, consequentemente, do envelhecimento celular. Pesquisas revelam que o consumo de alimentos ricos em resveratrol, um antioxidante do tipo polifenol encontrado nas cascas das uvas vermelhas e roxas, tem a capacidade de retardar o envelhecimento dos telômeros, pois regula o aumento da enzima telomerase. Outros compostos antioxidantes propiciam esse efeito sobre os telômeros, mas devem ser elucidados com mais estudos.

Por fim, denota-se que a adoção de hábitos saudáveis, relacionados à alimentação equilibrada, a prática de exercícios físicos e a cessação do tabagismo são fundamentais no combate ao envelhecimento celular, visto que a atividade enzimática do organismo está intimamente relacionada aos fatores ambientais e ao estilo de vida.

 

REFERÊNCIAS

GOTO, S et al. Hormetic effects of regular exercise in aging: correlation with oxidative stress. Appl Physiol Nutr Metabol., v. 32, n. 5, p. 948-53, 2007.

LANZILLI, G et al. Resveratrol down-regulates the growth and telomerase activity of breast cancer cells in vitro. Int J Oncol., v. 28, n. 3, p. 641-8, Mar. 2006.

SILVA, WJ; FERRARI, CKB. Metabolismo mitocondrial, radicais livres e envelhecimento. Rev. bras. geriatr. gerontol.,  Rio de Janeiro ,  v. 14, n. 3, p. 441-451,  Mai.  2011.

TROEN, B. The biology of aging. Mount Sinai J. Med., v. 70, n. 1, p. 13-22, Fev. 2003.

TEIXEIRA, I; GUARIENTO, ME. Biologia do envelhecimento: teorias, mecanismos e perspectivas. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro,  v. 15, n. 6, p. 2845-2857,  Set.  2010.