A principal queixa clínica do público feminino é a dificuldade para a perda de peso, que pode ser ocasionada por diferentes motivos. De acordo com o  Mapa da Obesidade, realizado de acordo com o levantamento de dados da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) de 2019, cerca de 53,9% da população do sexo feminino está acima do peso e, 20,7% com grau de obesidade.

O sobrepeso e a obesidade afetam diretamente a autoestima da mulher, além de causar alterações hormonais que afetam a harmonia do organismo e impulsionar a busca pelo emagrecimento rápido e sem acompanhamento nutricional.

O que é desarmonia corporal e qual seu impacto na nutrição estética da mulher?

A síndrome da desarmonia corporal é caracterizada pelo conjunto de alterações no revestimento corporal que comprometem a harmonia estética. Entre os diversos fatores que influenciam na incidência deste quadro, é necessário levar em consideração o estilo de vida levado, o percentual de gordura abdominal – tendo em vista de que o mesmo altera a composição celular, aumentando a quantidade de adipócitos presentes.

Como é realizado o seu diagnóstico?

Para o seu diagnóstico, o profissional da saúde deve levar em consideração a saúde da pele e definir se a obesidade é de origem ginóide (quando a circunferência da cintura, dividida pela circunferência do quadril é menor que 0,9) ou de origem androide (superior ou igual a 0,9). Após o diagnóstico, é possível subclassificar o quadro em seis níveis diferentes:

  • Grupo 1: Diferente dos outros grupos, o diagnóstico deste primeiro grupo caracteriza-se pela baixa exposição de imperfeições na pele, com pequeno aumento visível e sem alteração músculo-aponeuróticas.
  • Grupo 2: A principal característica deste grupo é o aumento do panículo adiposo, espécie de gordura que fica envolta dos nossos órgãos, garantindo seu isolamento térmico e a modulação do nosso organismo.
  • Grupo 3: Pacientes classificadas como nível 3 da síndrome tendem a se queixar de flacidez, que pode ou não estar associada com o aumento de pele e gordura na região abdominal.
  • Grupo 4: Muito similar às características presentes no grupo 3, entretanto, com um maior risco para a saúde.
  • Grupo 5: Com excessiva gordura na região infra e supra-umbilical, excesso no aumento do tecido celular subcutâneo e alto comprometimento para a saúde geral da paciente, este é considerado um grupo de risco.
  • Grupo 6: Por fim, no último grupo é classificado os pacientes que, de acordo com a avaliação antropométrica possuem obesidade grau 3, com alto índice de comprometimento músculo-aponeurótico.

Conduta para o seu tratamento

Como via estratégica para o seu tratamento, é necessário manter um padrão alimentar rico em alimentos que possuem ação antiinflamatória, vitaminas e minerais, como as vitaminas do complexo B, vitamina C, vitamina E e ômega-6. É importante ressaltar que a associação do padrão alimentar com a prática de atividade física é capaz de diminuir a incidência de casos de síndrome da desarmonia corporal em mulheres, além de garantir o bem-estar físico e mental. 

Emagrecimento baseado em evidências

Mulher praticando atividade física

Como dito anteriormente, o padrão alimentar adequado, associado com a prática de atividade física é essencial para a melhora dos resultados no emagrecimento. Sabe-se que a crescente da obesidade é estimulada por fatores como má alimentação, baixa qualidade de sono, sedentarismo, estilo de vida e até mesmo a saúde mental, mas é importante ressaltar o que a ciência traz de novo para potencializar o processo de emagrecimento.

De acordo com um artigo publicado recentemente (KASPRZAK-DROZD et al., 2022), o consumo e suplementação de polifenóis, como a cúrcuma, possuem potenciais promissores devido à sua bioatividade natural, que fortalece diferentes mecanismos, como o antiinflamatório e antioxidante. Além disso, estes compostos afetam a atividade biomolecular celular e fisiológica, sendo considerados como uma via estratégica para a perda de peso e, até mesmo, prevenção contra a obesidade.

Emagrecimento e Nutrição Avançada na 7ª Edição do MBNE

A auto-aceitação é um dos fatores que estimula a busca pelo emagrecimento, entretanto, na maioria das vezes este processo é feito sem o acompanhamento de uma nutricionista, aumentando as chances para o desenvolvimento da síndrome de desarmonia corporal. Para saber mais sobre este tema, inscreva-se na 7ª edição do MBNE e assista a palestra das nutricionistas Dra. Eliane Taglliari e Dra. Nathercia Percegoni.

O 7º MBNE acontecerá nos dias 13 e 14 de maio, em São Paulo, e receberá os maiores palestrantes da nutrição estética no país, além das principais marcas de suplementos, nutracêuticos e superfoods durante a Nutri Beauty Expo.

Clique aqui e saiba mais sobre o MBNE 2022.

REFERÊNCIAS

  1. RICARDO BOGGIO (Brasil). Sindrome de desarmonia corporal. [20-]. Disponível em: http://clinicaboggio.com.br/estetica/sindrome-de-desarmonia-corporal/. Acesso em: 04 mar. 2022.

KIM, Boo-Young; BAE, Jung Ho. Role of systemic corticosteroids in orbital cellulitis: a meta-analysis and literature review. Brazilian Journal Of Otorhinolaryngology, [s. l], p. 1-6, 06 mar. 2021. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33722520/. Acesso em: 04 mar. 2022.

WATANABE, Mikiko; RISI, Renata; MASI, Davide; CAPUTI, Alessandra; BALENA, Angela; ROSSINI, Giovanni; TUCCINARDI, Dario; MARIANI, Stefania; BASCIANI, Sabrina; MANFRINI, Silvia. Current Evidence to Propose Different Food Supplements for Weight Loss: a comprehensive review. Nutrients, [S.L.], v. 12, n. 9. 20 set. 2020. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/nu12092873. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32962190/. Acesso em: 04 mar. 2022.