Aplicação de Mindfulness e PNL para cuidados estéticos: abordagem ao tratamento.

 Prática de Mindfulness e a Nutrição Comportamental são tendências em forte crescimento e que trazem benefícios comprovados na nutrição e também na estética. É possível associá-las de forma assertiva no atendimento clínico? Quais os resultados mais evidentes relacionados a estética corporal?

A ciência associada à prática e implementação de Mindfulness aumentou significativamente nos últimos anos. Essa intervenção é baseada em programas projetados para treinamento de indivíduos na busca de sua atenção plena na vida diária. A atenção plena é definida como “prestar atenção de um modo particular, com propósito, no momento presente e sem julgamentos”. Por meio de exercícios experienciais, pessoas que praticam Mindfulness são ensinados a se desvencilhar dos pensamentos repetitivos, criando uma meta-consciência, efeito que favorece a redução dos pensamentos negativos e o aumento da flexibilidade cognitiva.

Já a Nutrição comportamental é uma abordagem científica e inovadora, caracterizada por incluir aspectos fisiológicos, sociais e emocionais da alimentação e promover mudanças no relacionamento do nutricionista com seu paciente. Entre essas ferramentas, a habilidade em comunicação, a escuta ativa e o foco no alcance de resultados podem contribuir para uma melhor adesão do paciente ao tratamento, bem como na fidelização de novos clientes. Nesse sentido, nutricionistas e outros profissionais da área utilizam a Programação Neurolinguística (PNL) como ferramenta para alcançar resultados de excelência em seu meio de atuação. PNL refere-se a uma técnica que trabalha a parte consciente do cérebro, treinando-a para que o indivíduo consiga controlá-la a ponto de poder realizar mudanças e transformações na parte inconsciente da mente.

O objetivo da PNL, portanto, é atuar na melhor estruturação dos pensamentos e ações; identificar modelos mentais internos e seu impacto no comportamento; ressignificar crenças que impedem o alcance de resultados; provocar mudanças na maneira de pensar e agir, a fim de focar nas soluções dos problemas; incorporar técnicas que minimizem obstáculos que impedem a mudança comportamental; desenvolver recursos internos para alcançar resultados; e compreender o funcionamento da identidade emocional. Para o nutricionista, a PNL é uma ferramenta importante, uma vez que confere ao profissional a capacidade de entender o funcionamento e as potencialidades da mente humana, facilitando o alcance de resultados almejados pelo paciente.

Os estudos que utilizaram a PNL como técnica primária ou adjuvante no tratamento de fobias, melhora da saúde mental e desempenho/motivação estudantil apontaram melhora significativa na qualidade de vida dos indivíduos avaliados. Em estudo de Kim e Bae (2018), os autores avaliaram os efeitos de sessões de 90 minutos de PNL, ao longo de cinco semanas, sobre indivíduos em tratamento para alcoolismo. Em comparação ao grupo controle, o grupo submetido à PNL mostrou scores significativamente menores para depressão e vontade intensa de consumir álcool. Os participantes demonstraram, ainda, maior habilidade em recusar bebidas alcoólicas, indicando que a PNL pode ser um método útil para profissionais da saúde, na prevenção de comportamentos viciantes. Em relação ao desenvolvimento profissional, a PNL para nutricionistas traz ferramentas práticas para acessar e tratar raízes de problemas ligados a transtornos alimentares, obesidade, a relação do paciente com o alimento e o próprio corpo, entre outras questões essenciais.

O Módulo Mindfulness e Nutrição Comportamental faz parte da programação científica do MBNE 2019 e abordará como essas estratégias de atendimento podem contribuir para que o nutricionista desenvolva habilidades de comunicação e modulação comportamental, visando melhorar sua própria abordagem e potencializar a adesão ao tratamento nutricional. As palestras serão ministradas pela Dra. Deilys Gonzáles e a Dra. Sharon Feder!

REFERÊNCIAS

 GROVES, P. Mindfulness in psychiatry – where are we now? BJPsych Bull., v. 40, n. 6, p. 289-292, dec. 2016.

SHAPERO, B. et al. Mindfulness-Based Interventions in Psychiatry. Focus (Am Psychiatr Publ), v. 16, n. 1, p. 32-39, 2018.

NOOMAN, S. Mindfulness-based stress reduction. Can Vet J., v. 55, n. 2, p. 134-135, feb. 2014.

KIM, H. e BAE, J. Development and Evaluation of Group Counseling Program using Neurolinguistic Programming for Alcoholics. Journal of Korean Academy of Psychiatric and Mental Health Nursing, v. 27, n. 2, p. 98-109. 2018.

LORENA, A.L.F. e PINHO, M.L.S. A contribuição da programação neurolinguística para o exercício da docência no ensino universitário. In: XV Colóquio Internacional de Gestão Universitária – Desafios da Gestão Universitária no Século XXI. 2015.

SBPNL. Programação Neurolinguística. [Internet]. Disponível em: https://www.pnl.com.br/pnl/. Acesso em: 18 dez. 2018.