Um dos aspectos mais estudados, atualmente, nas pesquisas científicas é a relação entre a atividade física e a longevidade. Tais pesquisas indicam que essa relação é proveniente da atividade física regular, acarretando a diminuição do risco de doenças cardiovasculares e o aumento da expectativa de vida (aproximadamente em dois anos). As evidências epidemiológicas apresentadas permitem concluir, também, que a atividade física está associada com o aumento da mobilidade, da capacidade funcional e da qualidade de vida durante o envelhecimento. No entanto, deve-se enfatizar a importância de se estimular a prática regular de exercícios aeróbicos ou de fortalecimento muscular, o que acarretará em mudanças sistêmicas fundamentais para a longevidade.

Para tanto, um estudo comparou a qualidade de vida de 238 idosas, com média de idade de 69 anos, residentes no município de Aracaju e com distintos níveis de atividade física. Identificou-se uma diferença significativa entre o nível de atividade física e a qualidade de vida relacionada com a saúde, pois os resultados sugeriram que as mulheres idosas mais ativas apresentaram melhores resultados nos oito domínios de qualidade de vida investigados, que foram: capacidade funcional, aspectos físicos, presença de dores, estado geral de saúde, vitalidade, aspectos sociais, aspectos emocionais e saúde mental.

O impacto positivo da atividade física regular em aspectos cognitivos, na saúde mental e no bem-estar geral do indivíduo durante o processo de envelhecimento é evidenciado em diversos estudos clínicos. Entre eles, destaca-se o efeito da atividade física, mais especificamente da caminhada, na diminuição do risco de demência vascular e nota-se um menor declínio cognitivo naqueles que apresentam hábitos saudáveis. O exercício pode elevar o BDNF (fator neurotrófico derivado do cérebro) e outros fatores de crescimento, estimulando a neurogênese, mobilizando a expressão de genes que beneficiam o processo de plasticidade cerebral, aumentando a resistência do cérebro ao dano e, consequentemente, melhorando a aprendizagem e o desempenho mental.

Além disso, entre os diversos fatores positivos que essa prática proporciona, destaca-se, também, o benefício desencadeado em relação à saúde emocional das pessoas quanto ao reforço da autoestima, associada à melhor imagem corporal e à autonomia que advém da maior mobilidade física que os exercícios físicos desencadeiam. Por isso, vale ressaltar que o incentivo dos profissionais de saúde é fundamental para que as pessoas adquiram esse hábito e extraiam os resultados benéficos em relação à saúde.

REFERÊNCIAS

BARNES, DE; CAULEY, JA; LUI, LY et al. Women who maintain optimal cognitive function into old age. J Am Geriatr Soc., v. 55, n. 2, p. 259-64, 2007.

COTMAN, CW; BERCHTOLD, NC. Exercise: a behavioral intervention to enhance brain health and plasticity.Trends Neurosc., v. 25, n. 6, p.295-301, Jan. 2002.

MATSUDO, SM. Atividade física na promoção da saúde e qualidade de vida no envelhecimento. Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v.20, p.135-37, Set. 2006.

MATSUDO, SM. Envelhecimento, atividade física e saúde. BIS, Bol. Inst. Saúde. N. 47, p. 76-79, Abr. 2009.

TOSCANO J. J. O.; OLIVEIRA A. C. C. Qualidade de vida em idosos com distintos níveis de atividade física. Rev Bras Med Esporte, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 169-173, jun. 2009.

PONTE, M; CUNHA, F. Nível de atividade física na população idosa e seus benefícios: uma revisão integrativa. Sanare, Sobral, V.12, n.1, p. 71-77, jan/jun. 2013.

VIDMAR, M et al. Atividade física e qualidade de vida em idosos. Rev. Saúde e Pesquisa, v. 4, n. 3, p. 417-424, Set/Dez. 2011.