A preocupação com a estética é um dos principais motivos que levam à busca por acompanhamento nutricional. Nesse contexto, uma das maiores queixas com as quais o nutricionista se depara no consultório é em relação às unhas, que normalmente estão fracas, com manchas, quebradiças e/ou que não estão crescendo. Para auxiliar na sua prática clínica, separamos um guia prático sobre a saúde ungueal e o papel dos nutrientes. 

Qual é a composição das unhas?

Com relação à morfologia das unhas, elas são um anexo cutâneo formado por células epiteliais queratinizadas, dispostas em placas de queratina dura. Situam-se no leito da epiderme ao qual estão firmemente aderidas. A queratina é uma proteína produzida por queratinócitos a partir de aminoácidos, sendo o principal a l-cisteína. Além desta, há outras proteínas presentes na composição da unha, como o colágeno.

Quais são os principais fatores que impactam a saúde ungueal?

Os principais fatores desencadeadores de alterações nas unhas são exposição a agentes químicos, como solventes, formaldeído, fungos e traumas repetitivos (como digitação). Além desses, um dos principais fatores que merece destaque e que tem total relação com a conduta clínica do nutricionista estético é devido à deficiência de nutrientes, tanto pela falta de ingestão destes como pela redução da absorção, que levam ao comprometimento da saúde ungueal.

Deficiência de nutrientes e saúde ungueal – Dicas práticas

A deficiência nutricional pode levar a anormalidades envolvendo as unhas. Alguns fatores como disbiose intestinal, alterações na digestão, má absorção intestinal, distúrbios crônicos (doenças renais, hepáticas, entre outras), alcoolismo, uso de alguns medicamentos, aumentam a chance do aporte adequado de nutrientes para exercer suas funções metabólicas, como para a estrutura ungueal. Somado a isso, pode não haver o consumo diário adequado dos nutrientes necessários para a efetiva nutrição das unhas.

Para identificar possíveis deficiências de nutrientes, é importante realizar, na hora do atendimento nutricional, um questionário de sinais e sintomas durante a anamnese, além de um recordatório alimentar, associado ao exame físico. Confira abaixo algumas dicas práticas para identificar, a partir dos sinais nas unhas, a deficiência nutricional associada:

Sinal clínico Deficiência nutricional associada
Hemorragia nas unhas Vitamina C
Manchas brancas Selênio e zinco
Pregas transversais Vitaminas do complexo B, Proteínas
Unha com aspecto de colher (coiloníquia) Ferro
Unhas frágeis e quebradiças Cálcio, ferro, zinco
Unhas grossas e espessas Vitamina A
Unhas pequenas com estrias Vitamina A
Unhas macias e escamosas Magnésio

Atenção para a síndrome das unhas frágeis

A síndrome das unhas frágeis é uma condição comum nos consultórios, visto que sua prevalência é alta, atingindo cerca de 20% da população, principalmente mulheres. Ela se caracteriza por um aumento da fragilidade das unhas de causa inespecífica, tornando-a mais susceptíveis à quebra, descamação e imperfeições. O principal tratamento nutricional para esta condição é através da suplementação com a biotina, pois esta atua como cofator na síntese de queratina.

Estratégias nutricionais para o cuidado integrado da saúde ungueal

  1. Cuidar da assimilação de nutrientes: melhorar a digestão do seu paciente e tratar uma possível disbiose intestinal presente é fundamental para contribuir para a efetiva absorção dos nutrientes.
  2. Incluir os alimentos fontes dos nutrientes que foram diagnosticados como deficientes.
  3. Aumentar o consumo de alimentos ricos em enxofre, como brócolis, couve-flor, repolho,  entre outros, contribuem para a resistência da unha, pois esse elemento químico contribui para as pontes de dissulfeto de cisteína, que estabilizam as proteínas da unha.
  4. Avaliar a suplementação com colágeno Verisol®: Hexsel et al. (2017) conduziram um estudo com participação de 25 pessoas que receberam 2,5g de peptídeos de colágeno (Verisol®) por dia, durante 24 semanas, com pausa de 4 semanas. Houve aumento da taxa de crescimento das unhas e uma menor frequência das unhas quebradas após a suplementação.
  5. Avaliar uma formulação combinada de nutrientes: um ensaio clínico randomizado avaliou o efeito de uma formulação biomineral contendo aminoácidos (l-cistina, l-arginina, ácido glutâmico), vitaminas (C, E, B6 e biotina) e minerais (zinco, ferro e cobre) na saúde ungueal, provando ser bem tolerada e eficaz no fortalecimento e uniformização das unhas em indivíduos com onicosquizia após 3 meses de tratamento  (SPARAVIGNA et al., 2019).

A nutrição é uma importante aliada do tratamento integrado de desordens estéticas, contribuindo para a restauração do bem-estar do paciente.

 

Referências  

CHESSA, Marco et al. Pathogenesis, Clinical Signs and Treatment Recommendations in Brittle Nails: a review. Dermatology And Therapy, Bologna, v. 10, n. 1, p. 15-27, 20 nov. 2019. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1007/s13555-019-00338-x. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31749091/. Acesso em: 15 dez. 2020.

HEXSEL, Doris et al. Oral supplementation with specific bioactive collagen peptides improves nail growth and reduces symptoms of brittle nails. Journal Of Cosmetic Dermatology, [S.L.], v. 16, n. 4, p. 520-526, 8 ago. 2017. Wiley. http://dx.doi.org/10.1111/jocd.12393. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31749091/. Acesso em: 11 dez. 2020.

LIPNER, Shari R.; SCHER, Richard K.. Biotin for the treatment of nail disease: what is the evidence?. Journal Of Dermatological Treatment, New York, v. 29, n. 4, p. 411-414, 9 nov. 2017. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.1080/09546634.2017.1395799. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29057689/. Acesso em: 11 dez. 2020.

CASHMAN, M. W.; SLOAN, S. B. Nutrition and nail disease. Clinics in dermatology, v. 28, n. 4, p. 420-425, 2010. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20620759/>. Acesso em: 15 dez. 2020.

DIBAISE, M.; TARLETON, S. M. Hair, nails, and skin: Differentiating cutaneous manifestations of micronutrient deficiency. Nutr Clin Pract., v. 34, n. 4, p. 490-503, 2019. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31144371/>. Acesso em: 15 dez. 2020.

DINI, I.; LANERI, S. Nutricosmetics: a brief overview. Phytother Res., v. 33, n. 12, p. 3054-3063, 2019. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31478301/>. Acesso em: 15 dez. 2020.

SPARAVIGNA, Adele; TENCONI, Beatrice; LAPENNA, Laura. Efficacy and tolerability of a biomineral formulation for treatment of onychoschizia: a randomized trial. Clinical, Cosmetic And Investigational Dermatology, Milan, v. 12, p. 355-362, maio 2019. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.2147/ccid.s187305. Disponível em: https://www.dovepress.com/front_end/cr_data/cache/pdf/download_1607706458_5fd3a75ac4ae1/10-may-2019-ccid-187305-efficacy-and-tolerability-of-a-biomineral-formulation-for-tr.pdf. Acesso em: 15 dez. 2020.

SIMAS, L.A.W.; WOLPE, R.E. Manual de Atendimento em Nutrição Estética. Curitiba, 2016.

PUJOL, A. P. Manual de Formulações para Prática Clínica. Camboriú: Ed. do Autor,  2019.