BLOGS CIENTÍFICOS

Fitoterapia no Tratamento do Transtorno de Ansiedade

Os transtornos de humor representam um grande problema de saúde pública, atualmente, tendo em vista que estão relacionados ao aumento de comorbidades físicas, custos de saúde elevados e redução da qualidade de vida. Estima-se que, até o ano de 2020, os transtornos mentais cheguem ao segundo lugar no ranking mundial de doenças neurológicas. O transtorno de ansiedade, em particular, pode promover o aparecimento de sintomas como inquietação, preocupação, irritabilidade, tensão muscular e problemas de sono, além de apresentar um impacto econômico considerável na sociedade.

Os efeitos positivos em seu tratamento estão relacionados à atividade do neurotransmissor ácido gama-aminobutírico (GABA), responsável por contrabalancear a ação excitatória do glutamato. Diversos estudos têm demonstrado que os fitoquímicos, como saponinas, alcaloides, polifenóis, triterpenoides, óleos essenciais e flavonoides, apresentam atividades ansiolíticas e efeitos antidepressivos devido à inibição da transmissão excitatória e à redução da ansiedade, justamente pela ativação do receptor GABAA. Dessa forma, a utilização de fitoterápicos que apresentam essa substância é um grande aliado na redução de seus sintomas:

– Camomila (Matricaria recutita)

A presença de apigenina promove um efeito tranquilizante suave, com ação ansiolítica graças à modulação do GABA, noradrenalina, dopamina e da neurotransmissão de serotonina.

Um estudo publicado em 2015 demonstra que o consumo de uma xícara de chá/dia, por duas semanas, diminuiu a pontuação na escala de fadiga, depressão e sono de mulheres no período pós-parto.

– Melissa officinalis

A presença de óleo essencial, taninos, triterpenoides e flavonoides conferem sua capacidade de minimizar os efeitos da ansiedade. A suplementação de melissa, em uma dose de 600 mg/dia, por 15 dias, reduz de maneira significativa as manifestações de ansiedade.

Passiflora incarnata

Sua capacidade em melhorar a efetividade da sinapse GABAérgica favorece a redução da ansiedade. Um trabalho envolvendo pacientes no pré-operatório relata que a suplementação de P. incarnata (500mg) reduz a ansiedade sem induzir sedação.

Humulus lupulus

A presença de mircenol é capaz de modular a ação GABAérgica, conferindo ao lúpulo o seu efeito ansiolítico. Um estudo de delineamento cruzado, aleatorizado e controlado por placebo, envolvendo adultos jovens, demonstra que a suplementação de extrato seco de H. lupulus (200mg, duas vezes ao dia), por quatro semanas, é capaz de reduzir de maneira significativa os escores de ansiedade, depressão e estresse.

– Erythrina mulungu L.

A presença de alcaloides eritrinosos foi capaz de minimizar a ansiedade em camundongos de uma pesquisa. Sua utilização está associada ao aumento do tempo de sono. Estudos demonstram que sua atividade é semelhante à do diazepam.

– Ocimum basilicum

Também conhecido como manjericão, além de aromatizar diversas preparações, apresenta um grande efeito ansiolítico. Seus principais compostos bioativos são a apigenina, o linalol e o ácido ursólico. Vale ressaltar que seus efeitos ansiolíticos também podem ser conferidos pela utilização da aromaterapia.

É importante ressaltar que a utilização de fitoterápicos no tratamento de transtornos do humor deve ser orientada por um profissional, tendo em vista que existem inúmeras possibilidades de interação medicamentosa.

Referências bibliográficas

Amsterdam, J. D.; Li, Y.; Soeller, I. et al. A randomized, double-blind, placebo-controlled trial of oral Matricaria recutita (chamomile) extract therapy of generalized anxiety disorder. J clin Psychopharmacol. 29(4): 378-382, 2009.

Chang, S-M.; Chen, C-H. Effects of an intervention with drinking chamomile tea on sleep quality and depression in sleep disturbed postnatal women: a randomized controlled trial. JAN. 2015.

Fedovata, J.; Kubatka, P.; Büsselberg, D. et al. Therapeutical strategies for anxiety and anxiety-like disorders using plant-derived natural compounds and plant extracts. Biomed Pharmacother. 95: 437-446, 2017.

Flausino Junior, O. A.; Pereira, A. M.; Bolzani, V. S.; Nunes-de-Souza, R. L. Effects of erythrinian alkaloids isolated from Erythrina mulungu (Papilionaceae) in mice submetted to animal models of anxiety. Biol. Pharm Bull. 30(2): 375-378, 2007.

Kyrou, I.; Christou, A.; Panagiotakos, D. et al. Effects of a hops (Humulus lupulus L.) dry extract supplement on self-reported depression, anxiety and stress levels in apparently healthy young adults: a randomized, placebo-controlled, double-blind, crossover pilot study. Hormones. 16(2): 171-180, 2017.

Martins, J.; Brijesh, S. Phytochemistry and pharmacology of antidepressant medicinal plants: A review. Biomedicine & Pharmacotherapy. 104: 343-365, 2018.

Miroddi, M. Calapai, G.; Navarra, M. et al. Passiflora incarnata L. ethnopharmacology, clinical application, safaty, and evaluation of clinical trials. J. Ethnopharmacol. 150(3): 791-804, 2013.

Movafegh, A.; Alizadeh, R.; Hajimohamadi, F. et al. Preoperative oral Passiflora incarnata reduces anxiety in ambulatory surgery patients: A double-blind, placebo-controlled study. Anesthesia & Analgesia. 106(6), 2008.

Qureshi, N. A.; Al-Bedah, A. M. Mood disorders and complementary and alternative medicine: a literature review. Neuropsychiatric Disease and Treatment. 9: 639-658, 2013.

Shakei, A.; Sahebkar, A.; Javadi, B. Melissa officinalis L. – A review of its traditional uses, phutochemistry and pharmacology. J Ethnopharmacol. 188: 204-28, 2016.

Srivastava, J. K.; Shankar, E.; Gupta, S. Chamomile: A herbal medicine of the past with bright future. Mol Med Report. 3(6): 895-901, 2010.

Deixe um comentário

Blogs recentes