O AMPK – proteína quinase ativada por AMP – é um sensor energético que pode ser estimulado durante a restrição calórica, pelo exercício físico, através da secreção de alguns hormônios e na administração de alguns medicamentos.

Seu efeito antiobesogênico é determinado por diversos mecanismos: redução do processo inflamatório, aumento da sensibilidade à insulina, aumento da oxidação lipídica, redução do apetite, aumento da biogênese mitocondrial mediante a ativação das sirtuínas e do PGC-1α, além de promover aumento do gasto energético.

A fitoterapia pode ser uma grande aliada na ativação do AMPK, em que se destacam alguns fitoterápicos e fitoquímicos – guaraná, ácido ursólico, berberina, piperina, Camellia sinensis, capsaicina, resveratrol, curcumina e ácido clorogênico (encontrado no café-verde e no Ilex paraguariensis). Incluir esses itens na rotina alimentar de um indivíduo em tratamento para a obesidade pode promover inúmeros benefícios, dessa forma, use a criatividade na hora de montar o cardápio.

Referências bibliográficas

Ghorbani, Z.; Hekmatdoost, A.; Mirmiran, P. Anti-hyperglucemic and insulin sensitizer effects of turmeric and its principle constituent curcumin. Int J Endocrinol Metab. 12(4): e18081, 2014.

Lima, N. S.; Teixeira, L.; Gambero, A.; Ribeiro, M. L. Guarana (Paullinia cupana) stimulates mitochondrial biogenesis in mice fed high-fat diet. Nutrients. 2018.

Li, Z.; Geng, Y-N.; Jiang, J-D.; Kong, W-J. Antioxidant and anti-inflammatory activities of berberine in the treatment of diabetes mellitus. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine. 2014.