BLOGS CIENTÍFICOS

Fitoativos complementares no tratamento da mulher com endometriose

A endometriose é um quadro que afeta cerca de 10 a 15% da população feminina em idade reprodutiva, caracterizado pela inflamação e expansão do tecido semelhante ao endométrio para fora do útero (CHAUHAN et al., 2022). Por sua complexidade, muitos pesquisadores dedicam-se a compreender as principais condutas para a melhora dos sintomas, como a fitoterapia.

Endometriose: o que é necessário compreender?

Como mencionado anteriormente, a endometriose é um distúrbio do sistema reprodutivo feminino, que causa inflamação, afetando os ovários e o peritônio e, consequentemente, causando um desconforto no período 

menstrual. Em busca da melhora do quadro, muitas mulheres procuram por terapia hormonal com progesterona, tendo em vista o potente efeito antiproliferativo do endométrio.

 Dentre os sintomas mais relatados é comum que as pacientes relatem a piora de cólicas menstruais; dor pélvica; incômodo na região sacral; dores durante ovulação e relação sexual; fluxo menstrual irregular; alterações gastrointestinais; entre outras (SMOLARZ et al., 2021).

 Além disso, o diagnóstico do quadro pode evoluir e invadir a musculatura uterina (adenominose), que tem como sintomas a dor abdominal baixa e sangramento menstrual anormal, tendo como tratamento único a cirurgia (GUO, 2020).

Estilo de vida e qualidade nutricional no desenvolvimento do quadro

Sem causa conhecida, o desenvolvimento de endometriose pode ser influenciado pelo estilo de vida e pela qualidade nutricional. Um artigo conduzido por Habib et al. (2022) sugere que o excesso de peso ao nascer e durante o decorrer da vida é capaz de aumentar o risco para o diagnóstico positivo.

Nesse mesmo artigo, os autores também apontam a má qualidade nutricional como um dos principais gatilhos, tendo em vista o estímulo que uma dieta desequilibrada possui nas vias inflamatórias. Ainda sobre a alimentação, dados apontam que o consumo de 2 ou mais porções de carne vermelha por dia é capaz de aumentar o risco em 56% (YAMAMOTO et al., 2018).

Fitoterapia como tratamento: o que a ciência diz  sobre?

A prática de atividade física diária, associada a uma alimentação equilibrada, rica em fibras, vitaminas e minerais com potente ação anti-inflamatória, tem sido apontada como uma via de tratamento para mulheres que sofrem com endometriose, entretanto estudos analisam os efeitos da fitoterapia como tratamento complementar.

O consumo adequado e a suplementação acompanhada de fitoquímicos, como os flavonoides, agem como antioxidantes, anti-inflamatórios, imunomoduladores e pró-apoptóticos. Saiba mais sobre o mecanismo deles:

  • Apigenina:

    Presente em alimentos como camomila, salsa e laranja, a apigenina possui potente ação anti-inflamatória, antioxidante, antiangiogênica e antiproliferativa. Um estudo observou o efeito da mesma na resposta de progesterona, sendo essencial para a inibição da proliferação de células endometriais (DEAN et al., 2018).

 

  • Curcumina:

    Derivada do açafrão, a curcumina possui mecanismos muito reconhecidos na medicina tradicional chinesa (MTC). Para a mulher que sofre com endometriose, o seu consumo interfere na modulação dos níveis de estrogênio, assim, reduzindo a quantidade de células endométricas (BALAN et al., 2021).

 

  • Quercetina:

    Encontrada em frutas de coloração vermelha, como a maçã, a quercetina atua na inibição do crescimento de células com potencial cancerígeno e, como antiproliferativo, em células endometrióticas. Além disso, seu consumo age como antiestrogênica (BALAN et al., 2021).

 

Com foco total na saúde reprodutiva da mulher, a 8ª edição do MBNE abordará todas as fases da vida de sua paciente e o impacto que a suplementação é capaz de oferecer. Por isso, inscreva-se no MBNE 2023 e cadastre-se já no MBNE Academy: 

REFERÊNCIAS

  1. CHAUHAN, Saurabh et al. Endometriosis: a review of clinical diagnosis, treatment, and pathogenesis. Cureus, [S.L.], p. 1-8, 6 set. 2022. Cureus, Inc.. http://dx.doi.org/10.7759/cureus.28864. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC9537113/
  2. SMOLARZ, Beata et al. Endometriosis: epidemiology, classification, pathogenesis, treatment and genetics (review of literature). International Journal Of Molecular Sciences, [S.L.], v. 22, n. 19, p. 10554, 29 set. 2021. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/ijms221910554. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8508982/
  3. GUO. The Pathogenesis of Adenomyosis vis-à-vis Endometriosis. Journal Of Clinical Medicine, [S.L.], v. 9, n. 2, p. 485, 10 fev. 2020. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/jcm9020485. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7073526/
  1. HABIB, Nassir et al. Impact of lifestyle and diet on endometriosis: a fresh look to a busy corner. Menopausal Review, [S.L.], v. 21, n. 2, p. 124-132, 2022. Termedia Sp. z.o.o.. http://dx.doi.org/10.5114/pm.2022.116437. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC9528818/
  2. YAMAMOTO, Ayae et al. A prospective cohort study of meat and fish consumption and endometriosis risk. American Journal Of Obstetrics And Gynecology, [S.L.], v. 219, n. 2, p. 178-178, ago. 2018. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.ajog.2018.05.034. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6066416/
  3. DEAN, Matthew et al. The Flavonoid Apigenin Is a Progesterone Receptor Modulator with In Vivo Activity in the Uterus. Hormones And Cancer, [S.L.], v. 9, n. 4, p. 265-277, 7 maio 2018. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1007/s12672-018-0333-x. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6222006/
  4. BALAN, Andreea et al. An Overview on the Conservative Management of Endometriosis from a Naturopathic Perspective: phytochemicals and medicinal plants. Plants, [S.L.], v. 10, n. 3, p. 587, 20 mar. 2021. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/plants10030587. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8003677/

Deixe um comentário