No ano de 2015, o Instituto Nacional de Câncer (INCA) estimou que, no ano de 2016, 600 mil novos casos de câncer afetarão os brasileiros. Entre os principais tipos que ocorrerão, encontra-se o câncer de pele não melanoma para ambos os sexos, representando o número de 175.760 casos previstos, que corresponde a 29% do total estimado.

A exposição solar é responsável por diversos efeitos danosos ao organismo devido à radiação UV. Entre os danos causados ao DNA e RNA, pode-se citar degradação fotoquímica da pele, formação de radicais livres e doenças dermatológicas. A fotoproteção é uma medida fundamental a ser seguida para a prevenção dos danos causados pela exposição solar, podendo ser administrada por uso tópico ou via oral (alimentação e suplementação de compostos bioativos). O uso de filtro solar diariamente, em todas as épocas do ano, é essencial para a prevenção de doenças dermatológicas e longevidade celular, tornando-se uma recomendação primária de prevenção.

O consumo de alimentos e nutrientes que atuam como fotoprotetores no plano alimentar auxilia de forma endógena na prevenção do fotoenvelhecimento. Dentre os compostos bioativos se destaca o betacaroteno, indicado como um agente fotoprotetor por mediar reações químicas na epiderme, envolvendo a carreação dos radicais livres quando gerados pela exposição a raios UV. Estudos ainda apontam que a suplementação de carotenoides pode proteger parcialmente a pele da formação de eritema induzido pelos raios solares UVA/UVB, embora a magnitude do efeito protetor seja modesta.

Nutrientes como as vitaminas C e E e polifenóis ainda se destacam. A vitamina C participa de diversos processos metabólicos, entre eles, a formação do colágeno. Como a exposição solar atua na desestruturação das fibras colágenas e elásticas, o ácido ascórbico tem papel fundamental na fotoproteção. A vitamina E possui a capacidade de impedir a propagação das reações em cadeia, dificultando o ataque às estruturas celulares induzidas pelos radicais livres nas membranas biológicas. Já os polifenóis são capazes de neutralizar os radicais livres gerados pela radiação UVA e UVB e proteger a pele contra o envelhecimento celular e o câncer causado pelos danos do sol.

Entre as principais fontes alimentares dos nutrientes citados se encontram as frutas e vegetais amarelo-alaranjados, como manga, cenoura, mamão, abóbora, fontes de betacaroteno, as frutas vermelhas como fontes de vitamina C, óleos vegetais, germe de trigo e oleaginosas, que são ricas em vitamina E, as fontes de licopeno, como tomate, goiaba e melancia, oleaginosas fontes de selênio e com destaque ao cacau, chá-verde, suco de uva e frutas vermelhas que possuem propriedades antioxidantes por serem ricas em fitoquímicos.       

Referências:

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. INCA estima quase 60 mil casos novos de câncer para 2016. Disponível em: https://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/agencianoticias/site/home/noticias/2015/inca_estima_quase_600_mil_casos_novos_de_cancer_em_2016

EVANS, J.A., JOHNSON, E.J. The Role of Phytonutrients in Skin Health. Nutrients., v.2, n.8, p. 903-928, 2010.

BALOGH, T. S. et al. Proteção à radiação ultravioleta: recursos disponíveis na atualidade em fotoproteção. An Bras Dermatol. 2011.

PUJOL, A. P. Nutrição aplicada à estética. Rio de Janeiro: Rubio, 2011.

SEIXAS, D. Compostos Bioativos dos alimentos. São Paulo: VP, 2015