O cacau e seus derivados, como o chocolate rico em cacau e cacau em pó concentrado, são importantes fontes de compostos fenólicos, que formam entre 12 a 18% do total do peso seco dos nibs de cacau. Os flavonoides que predominam em sua composição pertencem à classe dos flavanóis, em sua maioria, na forma de catequinas (35%): formas monoméricas de epicatequina e catequina e oligômeros de procianidinas. A concentração de epicatequinas do cacau é aproximadamente duas vezes superior às concentrações do vinho tinto e, praticamente, o triplo das encontradas no chá-verde.

Entre os benefícios atribuídos ao cacau se encontram sua ação antioxidante, anti-inflamatória e proteção cardiovascular. O cacau pode contribuir para a modulação do processo inflamatório e auxiliar na redução do risco de doenças cardiovasculares por atuar no metabolismo do óxido nítrico e leucotrienos e ajudar na inibição da enzima LOX-5, conferindo efeitos anti-inflamatórios, vasoprotetores e capacidade antibroncoconstritora.

Por sua propriedade antioxidante, o chocolate se apresenta como grande aliado na nutrição estética. Diversos trabalhos na literatura demonstram a ação antioxidante dos flavanóis presentes no cacau atuando na redução nas concentrações de radicais livres e outros agentes antioxidantes, diminuindo a oxidação de lipídeos, proteínas e ácidos nucleicos e favorecendo o rejuvenescimento da pele. Atua na saúde da pele com a melhora da estrutura e hidratação, diminuição da aspereza e escamação, além de auxiliar na sua oxigenação e densidade.

Além da individualidade bioquímica, a alimentação pode afetar a biodisponibilidade dos flavanóis do cacau. Estudos têm demonstrado que o leite pode afetar a absorção da epicatequina e que os efeitos deletérios do leite podem atrapalhar a biodisponibilidade dos polifenóis, porém ainda há controvérsias, o que torna necessário mais estudos para essa conclusão. O chocolate é o alimento que contém cacau mais consumido entre as fontes de cacau. A concentração de polifenóis, assim como o seu conteúdo, pode variar de acordo com o tipo de chocolate, portanto se recomenda a opção de chocolate contendo alta concentração de cacau (70% ou mais).

Com o crescimento da nutrição magistral e estética no mercado, farmácias de manipulação já apresentam fórmulas utilizando o chocolate rico em cacau como principal veículo da suplementação. É possível fazer associações de várias matérias-primas no chocolate, tornando a suplementação prática e saborosa. Além de ativos que atuam na estética, ainda é possível acrescentar ingredientes, como probióticos, vitaminas, minerais, compostos bioativos, óleos essenciais e alimentos funcionais, assim, atribuindo ação prebiótica, termogênica, antioxidante, relaxante, entre outras igualmente benéficas.

Entre os ingredientes utilizados, destacam-se as frutas vermelhas, gojiberry e cranberry, que são ricas em antocianinas, com propriedades antienvelhecimento, óleo de cártamo e coco, que atuam com ação termogênica, colágeno, que promove a elasticidade e firmeza da pele, óleo de prímula, que atua no alívio dos sintomas da tensão pré-menstrual, micronutrientes, como a biotina, que age no fortalecimento e crescimento das unhas e dos cabelos, e vitamina C, que participa da síntese de colágeno e fibras que contribuem para a saciedade e perda de peso. Com a individualização da fórmula, ainda, é possível atribuir diferenciais como não ter açúcar, lactose e contaminação por glúten.

Referências:

LAMUELA-RAVENTÓS, R.M.; ROMERO-PÉRES, C., TORNERO, A. Review: Health Effects of Cocoa Flavonoids. Food Sci Technol Internat, v.11, p.159-176, 2005.
REI, J., MEDEIROS, F. Chocolate e os benefícios cardiovasculares. Rev Hosp Univers Pedro Ernesto, v.10, n. 03, p. 54-59, 2011.
PASCHOAL, V. et al. Suplementação funcional magistral. São Paulo: VP, 2009.
SEIXAS, D. Compostos Bioativos dos alimentos. São Paulo: VP, 2015.