A obesidade representa um grave problema de saúde pública que se agrava cada vez mais em todo o mundo, além de ser fator de risco para diversas outras doenças. E, ante isso, alimentos termogênicos têm sido utilizados como estratégias para perda e manutenção de peso, ou seja, a fim de atuarem como coadjuvantes no tratamento da obesidade.

A termogênese corresponde à energia na forma de calor gerada em nível dos tecidos vivos, sendo que a quantidade de calor produzida é diretamente proporcional à taxa de metabolismo corporal. Os alimentos termogênicos são aqueles que apresentam maior nível de dificuldade em serem digeridos pelo organismo, logo, ocorre maior consumo de energia e caloria para realizar a digestão, uma vez que induzem o organismo a trabalhar em ritmo acelerado. A tais alimentos, atribui-se 10-15% do gasto energético total. Dentre esses alimentos, destacam-se o chá-verde, o gengibre e a pimenta, e, entre os suplementos, o de L-carnitina.

O chá-verde atua na prevenção da obesidade devido ao seu efeito termogênico e à capacidade de oxidar a gordura corporal, assim, resultando na perda de peso. As catequinas, principalmente a epigalocatequina galato, presentes no chá-verde são as responsáveis por esses benefícios. Quanto ao gengibre (Zingiber officinale), entre suas várias propriedades, há destaque para o efeito termogênico em razão da ação do gingerol, substância que atua aumentando o metabolismo, portanto, auxiliando na perda de peso. Porém mais estudos clínicos são necessários para confirmar essa propriedade com o intuito de auxiliar no tratamento de sobrepeso e obesidade.

Verifica-se interesse no estudo dos potenciais efeitos termogênicos de compostos extraídos de plantas como a capsaicina, substância encontrada nas pimentas, devido ao seu potencial de modular a atividade das catecolaminas. Atualmente, a carnitina tem sido utilizada com frequência por indivíduos ativos como coadjuvante na redução de gordura corporal, comercialmente, é utilizada nos suplementos denominados termogênicos. Os possíveis efeitos termogênicos da substância baseiam-se no fato de que a L-carnitina atua nas reações de transferência dos ácidos graxos cadeia longa do citosol para a mitocôndria, assim, facilitando a oxidação desses e a consequente geração de ATP.

Ao ter em vista os aspectos observados, é importante frisar que o consumo desses alimentos isolados, com finalidade de perda de peso devido à ação termogênica, pode não apresentar os efeitos esperados caso não se siga um conjunto de fatores, como a prática de exercício físico regular e uma alimentação equilibrada. O ideal é que o indivíduo seja acompanhado por um nutricionista, profissional que pode elaborar plano alimentar de acordo com a sua individualidade bioquímica.

Referências

BELZA, A.; FRANDSEN, E.; KONDRUP, J. Body fat loss achieved by stimulation of thermogenesis by a combination of bioactive food ingredients: a placebo-controlled, double-blind 8-week intervention in obese subjects. Int J Obes (Lond)., London, v. 31, n. 1, p. 121-130, 2007.

CARDOSO, J. et al. Uso de alimentos termogênicos no tratamento da obesidade. Universidade Federal do Rio de Janeiro. [Documento online]. Disponível em: <https://www.nutricritical.com.br/core/files/figuras/file/Trabalho%20termog%C3%AAnicos%20Estag%20C%C3%A1ssia.pdf>. Acesso em: 03 mar. 2016.

COELHO, F. C. et al. A suplementação de L-carnitina não promove alterações na taxa metabólica de repouso e na utilização dos substratos energéticos em indivíduos ativos. Arq Bras Endocrinol Metab., 37-44, v. 54, n. 1, p. 37-44, 2010.

DUARTE, J. L. G. et al. A relação entre o consumo de chá verde e a obesidade: revisão. RBONE, São Paulo, v. 8, n. 43, p. 31-39, 2014.

LOSS, L. C.; SUZUKI, V. Y.; SOARES, V. C. G. Gengibre como Termogênico: Auxilia no Emagrecimento? Nutrição em Pauta, São Paulo, abr. 2015.

MAGALHÃES, S. et. al. Termorregulação. Universidade Federal Fluminense. [Documento online]. Disponível em: <https://www.uff.br/WebQuest/downloads/Termorreg.pdf>. Acesso em: 03 mar. 2016.

PORTO, F. R. C.; Silva, J. C. Etnobotânica e uso medicinal da pimenta malagueta (Capsicum frutescens l.) pelos horticultores e consumidores da horta comunitária da Vila Poty, Teresina, Piauí, Brasil. Revista FSA, Teresina, n. 9, p. 139-157, 2012.