LANÇAMENTO

TAKE NOTES

Os principais highlights de todas as palestras, reunidos em um material para você.

CIRURGIA E NUTRIÇÃO

A busca por tratamentos estéticos por meio de cirurgias é uma realidade cada vez mais presente nos consultórios, já que o Brasil é o país com maior número de realizações de procedimentos cirúrgicos com foco em beleza.

Qual a importância da nutrição no pré operatório destas cirurgias? Como realizar a reposição de nutrientes essenciais para a cicatrização no pós?

blank

Pré-Cirurgias Estéticas: como a nutrição integrativa atua no preparo cirúrgico?

Questionamentos importantes: a cirurgia estética é uma necessidade real? A paciente está encurtando caminho ou irá usar como um trampolim para um novo estilo de vida? A cirurgia estética ela é uma cirurgia eletiva, o que nos permite um tempo para ajustes no estilo de vida, hábitos, deficiências nutricionais desse paciente. 

A importância da nutrição no pré-operatório

No pré-cirúrgico: imunomodulação, avaliar grau de inflamação do corpo, principalmente para evitar consequências como cicatrização inadequada e dor e garantir a cicatrização adequada.

O atendimento: mínimo de 30 dias de antecedência para pedir exames e corrigir as deficiências o mais rápido possível, para que a paciente vá para a cirurgia sem essas deficiências.

Importante fazer registro fotográfico inicial para documentar e avaliação nutricional. Conduta estabelecida depende muito da cirurgia e do tempo. Reavaliação somente em 2 meses (peso, bioimpedância, adipometria e até mesmo a nova foto), antes disso, somente ajuste de cardápio, de queixas (intestino constipado ou diarreia, por exemplo) e nutracêuticos. Por isso que é importante manter em contato com a equipe multidisciplinar, para entender o que está acontecendo com a paciente.

Anamnese pré-operatória: hábitos alimentares, intolerâncias, rotina de exercícios, uso de suplementação e/ou medicamento, sono, intestino, procedimentos estéticos/cirurgias já realizadas. Entregar plano alimentar com antecedência para a rotina seja pré-ajustada.

Exames pré-operatórios:

Hemograma
Glicose de jejum, insulina de jejum, hemoglobina glicada
Ureia
Creatinina
Ácido úrico
Fibrinogênio
Ferritina
Ferro
Proteína C reativa
Saturação de transferrina
Homocisteína
Lipidograma completo TGO, TGP e GGT PTH ACTH
Testosterona total e livre, DHT FSH, estradiol, estrona, progesterona TSH US, T3 e T4 livres, A.A.

Tireoglobulina, A.A peroxidase
Tireoidiana Prolactina, somatomedina C, IGFBP-3
Cortisol de jejum
SHBG
S-DHEA
CPK
Alumínio, cádmio, mercúrio e chumbo séricos
Ácido fólico
Gliadina IGA
FAN 25(OH)
vitamina D
Vitamina B12
VHS
Selênio
Zinco
Apo-A e Apo-B
Cálcio sérico e cálcio ionizado

Valores ótimos de exames pré-cirurgia

• Ferritina: 60-120ng/ml
• PCR: inferior 1mg/dl
• B12: 500-700pg/ml
• Zinco: acima de 90ug/dl
• Vitamina D: 50-80mol/L
• Insulina: até 7U/ml
• Proteínas totais: 6-8g/dl
• Hemoglobina glicada: até 5,3%

Cirurgia reparadora → dar atenção principalmente aos marcadores inflamatórios, devido ao tratamento quimioterápico, para além das deficiências nutricionais. 

Não deixar a paciente entrar inflamada na cirurgia!
Reparo tecidual → cicatrização

Ninguém opera em low carb e cetogenica -> porque senão não tem estímulo para a cicatrização. Parar pelo menos 30 dias antes da cirurgia. Privação dos carboidratos no plano alimentar → reduz em 40% a produção de ácido hialurônico, o que compromete a cicatrização.

Baixo consumo de proteínas também interfere muito na cicatrização. Por isso que é fundamental analisar o consumo de macronutrientes na anamnese! Zinco e ferro são muito importantes para a cicatrização.

Inclusive, o ferro é fundamental para a síntese de colágeno. Lembrar que há perda de sangue na cirurgia → ajustar ferro. Vitamina C é importante na síntese de colágeno.

Vitamina D e cálcio baixos podem atrasar a cicatrização. Atentar-se para glicose, insulina e hemoglobina glicada nos exames pré-operatórios: AGEs em excesso → não cicatriza!

Seja cirurgia ou qualquer procedimento estético → atentar-se para pacientes diabéticas, resistência à insulina e SOP → Nesse caso, reforçar: curcumina, canela ômega-3, vitamina D, carnosina, silimarina, benfotiamina e exercício.

Intestino → pacientes com leaky gut têm retardo do processo de cicatrização.

Painel de exames genéticos para cirurgia plástica 

• Il-6;
• TNF;
• NRF2;
• Glutationa;
• SOD, catalase, GPX1;
• Polimorfismo para vitA, C, D;
• MMP (colágeno);
• Gene FLG (dermatite),
• Fator 5 Leiden (trombose).

Orientações pré-operatório (3 dias antes)

• Aumentar a hidratação no dia que antecede a cirurgia;
• Não fazer exclusões de carboidrato e proteína;
• Tomar 1 dose de proteína isolada antes de se deitar na noite que antecede (levar para o hospital);
• Dormir bem e se manter relaxada;
• Excluir óleo de peixe, óleo de alho, própolis e chás;
• Preparar as suplementações do pós-operatório.

Sugestões de suplementações pré-operatório:

Glutamina – 5g
Arginina – 2g
Leucina – 1g
Lisina – 500mg

Pool de probióticos
L. reuteri
L. rhamnosus
L. plantarum
B. breve
B. longum

blank

OLÍVIA FERNANDES

NUTRICIONISTA

TEMA
Pré-Cirurgias Estéticas: como a nutrição integrativa atua no preparo cirúrgico?

Veja mais sobre a palestra

Quer saber mais sobre o assunto?
Separamos alguns conteúdos para
enriquecer ainda mais seus estudos.

blank

Pós-Cirurgias Estéticas: um olhar para regeneração tissular e cicatrização

Conhecimento das fases de cicatrização 

• Fase 1 – Coagulação (estancar o sangue, reduzir risco de hemorragia e evitar infecção) – 24h
• Fase 2 – Inflamação (citocinas inflamatórias que promovem a migração de células de recuperação) – 3 dias
• Fase 3 – Proliferação (formação de colágeno, formação do tecido de granulação, angiogênese) – 48h a 20 dias
• Fase 4 – Remodelação – Deposição de colágeno em uma rede organizada e bem estruturada – 21 dias a 1 ano

*Para cada fase temos um grupo de células que se sobressai

blank

Protocolo nutricional no pós-operatório 

blank

Imunonutrição – 7 dias antes da cirurgia até o vigésimo dia do pós-operatório (da fase de coagulação até a fase de proliferação).

Glutamina, arginina, vitaminas A e C, ferro, cobre, zinco, selênio e probióticos → foco em reduzir infecções e melhorar a cicatrização.

Glutamina – diminui complicação infecciosas, reduz permeabilidade intestinal, preserva função intestinal, melhora cicatrização (por aumentar a concentração de arginina), precursora de óxido nítrico, reduz PCR → 0,2g/kg/dia ou 7g/dia.

Arginina – é precursor da prolina, aminoácido fundamental para a produção de colágeno, modula ativação de fibroblastos e é substrato metabólico para síntese de óxido nítrico.

Vitamina C – atua na síntese de colágeno e tem efeito antioxidante. Vitamina A – facilita cicatrização e estimula síntese de colágeno.

Selênio – Antioxidante e acelera cicatrização. Ferro – cofator da síntese de colágeno, deficiência prolonga fase inflamatória e modera resposta imune.

Ferro -> não podemos esquecer da perda de ferro na cirurgia e devido à necessidade fundamental para a recuperação pós-operatória. Mesmo se a ferritina estiver boa antes da cirurgia.

Cobre, selênio e zinco – efeito antioxidante. Quanto maior a produção de citocinas pró-inflamatórias, maior será a fase de inflamação e retarda a fase de proliferação, o que gera complicações cirúrgicas pós-operatórias.

Os probióticos também ajudam a recuperar tecido da pele e modula nervo vago → Lembrar que a paciente utiliza antibióticos e medicamentos para aliviar a dor que podem impactar na função intestinal

Lembrar de incluir esses nutrientes via alimentação!

Sugestões de formulações para o período de imunonutrição

L-Arginina – 7g
Glutamina – 7g
Zinco (bisglicinato) – 15 mg
Vitamina A – 950 mcg Vitamina C (revestida) – 200 mg
Cobre (quelado)- 1,5 mg
Ferro (lipossomado) – 45 mg
Selênio (seleniometionina) – 200 mcg

Aviar 27 doses em sachê para 27 dias.

Posologia: Iniciar o consumo 7 dias antes da cirurgia e manter até o 20º dia após o procedimento cirúrgico.

Lactobacillus acidophillus – 1 bilhão de UFC
Lactobacillus reuteri – 1 bilhão de UFC
Lactobacillus bulgarics – 1 bilhão de UFC
Bifidobacterium bifidum – 1 bilhão de UFC
Bifidobacterium longum 1 bilhão de UFC
Lactobacillus rhamnosus – 1 bilhão de UFC

Aviar 27 doses em cápsulas vegetais.
Posologia: Iniciar o consumo 7 dias antes da cirurgia e manter até o 20º dia após o procedimento cirúrgico.

Ajuste proteico nas fases de inflamação e proliferação 

Ingestão de proteínas de 1,5g a 2,4g/kg/dia (avaliar suplementação de whey protein, peptídeos de colágeno, HMB).

Tomar cuidado com alimentos e suplementos que possam gerar desconfortos (whey protein) → pensar qual é o tipo de cirurgia realizada e as intolerâncias da paciente.

A deficiência de proteínas prolonga a fase inflamatória da cicatrização, aumenta o risco de infecção e diminui a síntese do colágeno, afeta diretamente a cicatrização.

Whey protein → está associado com aceleração da entrada na fase de proliferação.

HMB – 1,5g/dia → favorece cicatrização via aumento do GH.

Suplementação de peptídeos de colágeno e silício nas fases de inflamação até a de remodelação.

Peptídeos de colágeno → oferece prolina e hidroxipolina na forma de dipeptídeos e tripeptídeos → resposta a nível de receptores de fibroblastos para produção de colágeno → promove fechamento mais rápido das feridas.

Silício biodisponível → 150 a 300mg/dia. Mínimo de 3mg de silício por dia para favorecer a cicatrização (fazer o fator de correção para saber quanto prescrever de cada ativo)

Modulação da glicemia do pré-operatório até a fase de proliferação e redução e AGEs do pré-operatório até a fase de remodelação

A hiperglicemia está associada com aumento de complicações pós-cirúrgicas e incidência de infecções, redução da imunidade, redução da resposta na fase inflamatória e inibição dos fibroblastos e aumento dos AGEs.

Evitar alimentos ricos em AGES → atuam impactando na cicatrização, síntese de colágeno, aumentam a inflamação → proteínas e gorduras submetidos a altas temperaturas são as principais fontes. 

Alimentos ou parte de alimentos que podem apresentar alto teor de AGEs:

• Carne frita/grelhada;
• Crosta de pão;
• Leite integral em pó;
• Pasta de amendoim;
• Batata doce crocante.

Estimular o óxido nítrico na fase de proliferação

Incluir fontes alimentares de nitrato como aipo, agrião, alface e beterraba (apresentam 250mg ou mais de nitrato a cada 100g de alimento).

140mg de nitrato → para proporcionar estímulo de óxido nítrico.

Arginina também é importante!

A vitamina C e os polifenóis estimulam a conversão no nitrito e do nitrato para óxido nítrico.

Retirar ômega-3 nas fases de proliferação e remodelação

O ômega-3 não deve ser incluído nas fases de proliferação e remodelação, porque ele atrasa o fechamento da ferida, reduz a deposição de colágeno e reduz a resistência do tecido cicatrizado. Não há relação com a coagulação. 

Particularidades cirúrgicas

Redução de hematomas: Bromelina – 40mg, 3-4x/dia → reduz edema, dor, tempo de recuperação. Nunca usar no pré-operatório!

Redução de edema: Utilizar a partir do terceiro dia do pós-operatório: Cabelo de milho (Zea mays L.), hibisco (Hibiscus sabdariffa), cavalinha (Equisetum giganteum L)

Cirurgias abdominais: Dieta branda, cuidado com alimentos ricos em lactose e entender a sensibilidade da paciente aos FODMAPs.

Função intestinal comprometida → cardápio laxativo, consumo de líquidos e probióticos.

Dieta pré-operatória de prótese de mamas:

Já usar componentes bioativos que favorecem elasticidade (luteína + zeaxantina + prímula + peptídeo do colágeno + silício) e hidratação.

Cirurgia buco maxilo facial:

Implante dentário, extração de dente, enxerto ósseo, desvio de mandíbula e reconstrução facial. Exemplo líquido: vitaminas geladas de frutas com proteínas isoladas (whey protein ou proteínas vegetais), psyllium, cacau e gelo.

blank

ANA PAULA PUJOL

NUTRICIONISTA

TEMA

Pós-Cirurgias Estéticas: um olhar para regeneração tissular e cicatrização 

Veja mais sobre a palestra

Quer saber mais sobre o assunto?
Separamos alguns conteúdos para
enriquecer ainda mais seus estudos.